Ir para conteúdo

Transformação digital no mercado de commodities

Alessandro Sanos, CAIA
Alessandro Sanos, CAIA
Director, Commodities Market Development

O comércio de commodities entra em uma nova era graças ao maior volume de dados e ao ritmo acelerado com o qual hoje são processados. Um novo relatório da Refinitiv e do Boston Consulting Group analisa quais as implicações dessa transformação digital para o mercado de commodities e energia à medida que ele se torna mais transparente e automatizado.


  1. O comércio de commodities está evoluindo rapidamente. As empresas do setor precisam acompanhar as mudanças mais recentes por meio da adoção de novas ferramentas e plataformas de análise, contribuindo para a transformação digital em commodities e energia.
  2. O relatório “A Digitalização das Commodities”, publicado pela Refinitiv em colaboração com o Boston Consulting Group, descreve as conseqüências dessa transformação digital no mercado de commodities e energia, e como as empresas podem aproveitar as oportunidades que ela apresenta.
  3. Em parceria com a Refinitiv, os traders da área poderão traçar um caminho para a digitalização que combina com eles, reunindo todos os dados e informações de que precisam em uma única ferramenta.

A transformação digital no comércio de commodities e energia vem sendo impulsionada pela enorme quantidade de informações atualmente disponíveis para as empresas de trading –além da alta velocidade com que ferramentas digitais e plataformas de análise processam esses dados. Tudo isso tem permitido que a negociação global de commodities ingresse em uma nova era.

Embora as tradings estejam cientes dessa revolução no mercado, algumas ainda estão tentando desenvolver uma visão clara do que é necessário para permanecer competitivo.

A principal pergunta é: em que elas devem investir para alcançar bons resultados? E a resposta certamente não é a mesma para todos.

Em um novo relatório, intitulado “A Digitalização das Commodities” e realizado juntamente com o Boston Consulting Group, destacamos as principais implicações dessa tendência. Mais especificamente, exploramos como traders e analistas podem aderir a essas mudanças no mercado e aproveitar as oportunidades que se apresentam.

“Digitalização das Commodities”: como permanecer competitivo nessa nova era?

O papel dos dados na negociação de commodities

A democratização da informação e o crescimento exponencial do volume de dados estão corroendo os antigos limites do conhecimento e introduzindo um nível inédito de transparência.

Não é segredo que os dados sempre foram fonte de energia. Na verdade, a vantagem competitiva no comércio de commodities costumava ser determinada por quem tivesse as melhores informações e controle sobre ativos importantes.

No entanto, novas tecnologias fizeram com que as informações sejam hoje mais transparentes e automatizadas, permitindo que os traders tomem decisões em poucos segundos.

Para prever os preços das commodities com mais rapidez e precisão, as empresas terão que se render à recursos que envolvem, por exemplo, inteligência artificial e blockchain, além de reavaliar a sua capacidade de gerenciamento de dados e de aquisição de novas habilidades.

De agora em diante, o sucesso dependerá de um processo de antecipação contínua.

Para responder de forma efetiva à disrupção no comércio de commodities, em vez de investir em projetos e ferramentas isolados e desarticulados, as empresas precisam desenvolver um modelo operacional inteiramente novo, que implemente os processos certos para atender às exigências desse mercado hoje funcionando em alta velocidade.

Para algumas empresas, isso significa passar pelos quatro estágios de digitalização identificados pelo Boston Consulting Group:

  1. Invista em plataformas eletrônicas e processamento direto para reduzir custos diretos.
  2. Use a automação baseada em algoritmos paramétricos para otimizar processos e a entrada no mercado.
  3. Tire proveito da assistência orientada por dados para apoiar processos de tomada de decisões e de execução.
  4. Atinja a completa automação da cadeia de valor.

Transformação digital

É extremamente importante entender a diferença entre uma atualização de tecnologia e uma verdadeira transformação digital.

A única maneira de permanecer relevante nesse novo cenário é ter um propósito para a sua transformação. Ou seja, pense em digitalização, não apenas em digital.

Isso significa não cair na armadilha de ir atrás da última palavra da moda, Mas sim, de tentar encontrar uma correspondência ou um compromisso entre suas necessidades comerciais específicas e as tecnologias disponíveis para resolvê-las; que passaram do estágio conceitual para a realidade; que podem crescer rapidamente e estão dentro do orçamento.

O caminho para a digitalização raramente seguirá uma linha reta. As organizações terão que enfrentar os fatores endógenos e exógenos que inevitavelmente surgirão. E o sucesso virá de um processo constante de antecipação.

Todo esse processo, no entanto, necessita de fontes de inteligência e de insights em que as tradings possam confiar, além dos recursos digitais para gerenciar e interpretar informações rapidamente.

Solução abrangente

A boa notícia é que as empresas de negociação de commodities não precisam desenvolver aplicativos e infraestrutura internamente. Em parceria com a Refinitiv, elas podem obter acesso a todas as fontes de dados de que precisam e combiná-las com informações proprietárias, tudo em uma única ferramenta.

 

É fundamental traçar o caminho certo para sua jornada digital. Depois de compreender as recentes mudanças, você poderá responder com rapidez e discernimento a esse novo mercado, ganhando a vantagem competitiva necessária para prosperar em um mundo digitalizado.

Para se informar mais sobre as tendências de digitalização no mercado de commodities e como ganhar vantagem competitiva, explore nosso novo relatório: “A Digitalização das Commodities”